Soneto de Uma Noite

Na longa noite, vazia e crua
Tropecei, descuidado, em teus enleios
Perdi-me nas sombras dos teus cabelos
Teus cabelos negros como céu sem lua

E o teu desejo veio tocar o meu desejo
Quando nos vimos de sorriso embriagados
E do toque das mãos se fez o ensejo
E nos vestimos de carinho e de pecado

[E ficaram os lençóis e o meu amor bagunçados
Quando ela esvaziou a imensidão do quarto
Deixando um suspiro, um gosto de beijo

Deixando na cama o cheiro doce do corpo
Um arranhão marcado em meu pescoço
E um borrão de batom no meu queixo]

(maio de 2010)